terça-feira, 20 de março de 2012

Sobre a festa Antes da Reforma

No Espaço Cultural Walden; ou, Abrigo no Bosque Pé na Estrada
Em 17 de março de 2012

Antes da Reforma foi uma festa única.
Quando alugamos o imóvel, pouco antes do Natal de 2011, chegamos a pensar em fazer a festa de aniversário da Mariana ali (16/03), e justamente na inauguração! Mas logo pudemos perceber que não seria possível, pois em janeiro partiríamos para nossa sonhada viagem Transiberiana e só voltaríamos no fim de fevereiro... Ou seja, impossível organizar/aprontar tudo a tempo (abertura da empresa, religação dos relógios de luz, água e telefone, abertura da conta corrente/sistema de pagamento, reforma do imóvel, decoração, compra dos moveis e equipamentos do bar, cadastro com fornecedores, compra dos equipamentos de som, luz e imagem, compra de insumos, contratação de funcionários, programação da agenda de eventos, divulgação etc), então desencanamos.
Acontece que, só para variar, foram aparecendo imprevistos e o início da reforma foi atrasando, atrasando, a tal ponto que na semana que iniciou em 12/03/2012, a ideia da festa voltou com força total.
Só que agora a festa deveria ser diferente do que tínhamos pensado... Teria que ser na base do improviso...
E assim foi! :-)
O que, a nosso ver, se revelou a melhor escolha, afinal era uma festa de aniversário, né?! Deixa a profissionalização para quando chegar a inauguração, hehe.



Dia 13 de março, decidimos fazer a festa.
Corre pra lá, pensa daqui, escreve acolá. Evento criado com sucesso no Facebook.
No dia 16 de março, à noite, compramos a geladeira pelo Mercado Livre e...
... encaixota aparelho de som, vitrolas, mixer...
... coloca tudo no carro...
... corre para o Café Elétrico pra pegar algumas cervejas...
... corre para o mercado pra comprar as outras cervejas, saco de lixo, papel higiênico, produtos de limpeza e blá, blá, blá...
... corre para o Espaço, descarrega tudo e volta pra casa (umas 2h da matina)...
... e aí pensa, a cabeça frita e gira, coloca tudo o que ainda falta no papel e...
... separa banqueta e mesas, escolhe os vinis, pega o insenso preferido, balde, rodo, limpa vidros, extensão, tomadas e blá, blá, blá...
... o lema é: “ninguém dorme!!!”, testa o projetor, roda na cama, pensa no que ainda falta, pensa que ficaria ducaralho levar livros e pendurar para que as pessoas pudessem ler, pensa que também seria ducaralho colar os pôsteres prediletos na parede e...
... o dia raiando, raiando...
... dorme porque o corpo se entrega, se esborracha...
... duas horas de sono e...
No dia 17 de março, ou melhor, no dia da festa...
... acorda e vai buscar a geladeira – de 340 litros! – que foi transportada em um Ford Ka, meia bunda da geladeira pra fora, receio de que a geladeira decidisse voar, receio de levar uma multa por estar transportando de forma 'ilegal' (quá-quá)...
... chega no ECW, Cesar e Mariana, para tirar a geladeira do carro. A calçada esburacada “ajudando” muito... ufa! Finalmente conseguimos passar pela porta e a geladeira conquista o canto dela, apropriado!
... corre, corre de novo, ainda existem 15 pufes esperando na Mooca...
... chega na loja, eles ali, separados, empilhados. O funcionário pergunta como vamos transportar: “em um Ford Ka”, respondemos. Percebemos risos discretos...
... a missão: enfiar os 15 no carro. Puxa daqui, aperta dali, levanta, desce. Sobraram dois. “Ah, vão comigo no colo”, digo. Hahahahaha... um foi e o outro ficou pra fora da janela. Mãos pra que te quero!!! Chegamos no ECW, minhas mãos estavam dormentes; gargalhadas e mais gargalhadas...



... 15h... é pufe pra todo lado... corre... corre... o tempo não para não...
... agora vem a parte mais lascada: faxina! Faxina!!!! Imagina um lugar fechado por cinco meses? Era lá, ali. Senta no chão, esfrega com vontade, alisa, conversa...
... monta os equipamentos, projetor, luz e som; testa. E o relógio acelerado, gritando que o tempo acabou!
... 18h23... pronto, ou quase pronto...
... atravessa a cidade – do Centro para o Jabaquara – toma banho, separa o que ainda falta, passa no mercado pra comprar amendoim e Seleta (impossível não ter).
... 19h43, já estamos na Major Sertório, toca o telefone: “Mari, vocês já estão no ECW? Estamos na esquina.”
Ufa... chegamos junto com eles, Vanderlei e Douglas, que já entraram na labuta ajudando a descarregar o que ainda estava no carro.
... 20h... liga o projetor, que faz greve. Liga o computador, que também faz greve...
... 20h15, Fabio e Ale chegam. Ale se instala ao lado do Cesar, mexe e remexe e nada do projetor projetar. Sabe-se lá como, tentativa e erro, funcionou, e o primeiro filme a ser exibido foi Cisne Negro (Black Swan, de Darren Aronofsky)...
... e agora é festa, é todo mundo chegando... é o ECW;O,AnBPnE nascendo.



Registros para a posteridade:

- Primeiro DJ: Cesar Zanin
- Primeira música discotecada: Remember? (Lali Puna - Our Inventions)
- Primeiros presentes: Rodrigo Lariú (pôster de festival dos anos 90) e Thiago Cantarim (relógio de parede de vinil)
- Primeira cerveja consumida: Itaipava
- Primeiro DJ convidado: Gilberto Custódio (segundo: Marcio Custodio)
- Primeiro tombo na escada para o porão: Zé Alves
- Primeiro a derrubar cerveja no chão: Elisângela Marcelino
- Primeiros balões de coração: Carol Velvet
- Primeiro “funcionário”: Douglas Alves
- Primeiro a dormir no chão: Renato Custódio
- Primeiro cliente reclamão: Rogério Lima (segundo: Rodolpho Ponzio)

(mais fotos aqui)

Ah, sobre a festa? Foi muito legal! Eu tu ele / nós vós eles, chapamos, nos divertimos a valer! Fomos até 3h da manhã.
Mais? Pergunta pra quem estava presente!
Os comentários estão aí pra isso.
;-)

terça-feira, 13 de março de 2012

17/03/2012: Antes da reforma

17/03/2012: Antes da reforma

Vamos aproveitar que a reforma do Abrigo ainda não começou e comemorar com os amigos o aniversário da Mariana Cetra, celebrando os bons sons, com a discotecagem da própria e do marido Cesar Zanin, além do querido Gilberto Custodio Jr (Locomotiva Discos).

Entrada somente com nome na lista.
Enviem seus nomes para esp.cult.walden@gmail.com ou apenas confirmem presença no evento no facebook.

Entrada gratuita e cerveja barata! 
(não aceitamos cheques ou cartões, somente dinheiro)

Na praça da República 119 - cruzamento das avenidas São Luís com a Ipiranga, pertinho da estação República do Metrô.

A partir das 20 até a meia-noite.

As 20 primeiras pessoas ganham uma latinha de Itaipava, daquela que não deixa a cerveja esquentar.
:-)

segunda-feira, 12 de março de 2012

29/04/2012: "The Wall Art" com Neri da Rosa e Bumbo Caixa



"The Wall Art" com Neri da Rosa e Bumbo Caixa

Pintura na parede ao vivo, com Neri da Rosa (de Curitiba/PR) e music performance de Bumbo Caixa (PR/SP).

--

Neri da Rosa é um artista plástico de Curitiba. Formado em Publicidade e Propaganda (Belas Artes da UFPR), trabalha com marketing (Pontual: Marketing Criativo) e produção musical (Programa Último Volume – Rádios Educativa FM e Lúmen FM).
Algumas de suas exposições coletivas e individuais: 43º Salão Paranaense de Arte Contemporânea (Curitiba/PR); Bienal de Quadrinhos – Museu Alfredo Andersen (Curitiba/PR); “Early Days”, bar Bife Sujo (Curitiba/PR); Curitiba, PR”Arte Postal à Paulo Leminski e Curitiba, PR”Arte Postal à Chico Mendes, Fundação Cultural (Curitiba/PR); IV Salão de Humor do Piauí – Prêmio (Teresina/PI); 1º Festival de Humor de Recife (Recife/PE); entre outras.
Além disso, Neri coleciona vinis, sete polegadas e CD´s de rock independente.

Bumbo Caixa é o projeto sonoro de Dw Ribatski, curitibano radicado em São Paulo. É conhecido por seus projetos na natal Curitiba, entre eles o Je Rêve de Toi. Suas influências são formadas por Delta Cockers, Stella-Viva, Gustavo Prafrente entre outros da cena curitibana.

--

Domingo, dia 29 de abril de 2012, a partir das 16:00.
Entrada: R$ 10. 
Lista desconto (R$ 5): esp.cult.walden@gmail.com
Página do evento: facebook.com/esp.cult.walden

domingo, 11 de março de 2012

Sobre:

Fomentar a produção cultural e incentivar a criação artística, através da organização e da execução de projetos independentes ligados a: música, literatura, cinema, artes plásticas, teatro, fotografia, jornalismo, cultura digital, línguas e viagens.
E oferecer produtos e serviços nessas mesmas áreas, proporcionando entretenimento de qualidade.

Trocando em miúdos, podemos dizer que é um abrigo cultural, onde pessoas interessadas em cultura divertem-se e trocam conhecimento.

Esse tal abrigo celebrará a diversidade, o humanismo, a cultura-pop, a independência, incentivará os pontos de vista e iniciativas que demonstrem modos de vida simples, olhares sobre o conceito de liberdade, que mostrem que é possível ser feliz vivendo de forma diferente.

Um ponto de encontro, cosmopolita, despojado e instigante, a ser desvendado; na praça da República 119 - cruzamento da São Luís com a Ipiranga, em São Paulo, metrô República.



--


Fui para os bosques porque pretendia viver deliberadamente...
(Henry D. Thoreau – Walden; ou, A Vida nos Bosques, 1854)

O nome Walden foi tirado de um livro, publicado em 1854, escrito por Henry David Thoreau, onde ele relata porque e como deixou a civilização e foi viver por dois anos, dois meses e dois dias numa cabana que ele mesmo construiu às margens do lago Walden, nos bosques nos arredores de Concord, Massachussets (EUA), onde hoje se encontra o parque Reserva Estatal da Lagoa Walden.
A lógica de Thoreau é baseada em uma compreensão diferente da vida, muito ao contrário do que a maioria das pessoas chamaria de bom senso. Ironicamente, esta lógica é baseada no que a maioria das pessoas diz acreditar. Thoreau, reconhecendo isso, enche Walden com sarcasmo, paradoxos e duplos sentidos. Ele gosta de provocar, desafiar, e até mesmo brincar com seus leitores.
A intenção de Thoreau durante seu tempo em Walden era "fazer um experimento”: escapar do que ele considerava "civilização exagerada", em busca da "alegria selvagem"; ao mesmo tempo passando uma quantidade considerável de seu tempo lendo e escrevendo.
Ele nunca levou a sério a ideia de que poderia realmente isolar-se dos outros. Thoreau usou seu retiro para a floresta como uma forma de enquadrar uma reflexão sobre o que aflige homens e mulheres em sua condição contemporânea e o que pode proporcionar alívio.


Thoreau foi ídolo de figuras do calibre de Leon Tolstoi, Mahatma Ghandi, Martin Luther King Jr., William B. Yeats, entre outros; e influenciou movimentos como a Ecologia e a Desobediência Civil.


--


Só confio nas pessoas loucas, aquelas que são loucas pra viver, para falar, loucas para serem salvas...
(Jack Kerouac – On The Road, 1957)


Mais ou menos um século depois de Walden, Jack Kerouac (influenciado por Jack London, mas também por Thoreau), escreve On The Road, no Brasil publicado com o nome Pé Na Estrada.
Responsável por uma das maiores revoluções do século XX, On The Road escancarou ao mundo o lado divertido da experiência da vida na estrada, da descoberta do mundo através da mobilidade, da eterna busca, da avidez por experiências, a partir das viagens de dois jovens que atravessaram os EUA de costa a costa por três vezes em três anos, além da viagem final, que os levou até a capital mexicana, tudo isso interagindo com pessoas das mais diferentes pelo caminho, e com pouquíssimo dinheiro.
Kerouac foi o principal expoente da chamada geração Beat, que influenciou muitos dos movimentos literários, musicais e cinematográficos que viriam mais tarde; tais como cultura-pop, gonzo, do bebop ao rock - o pop, os hippies, o movimento punk; e tudo o mais que sacudiu a arte e o comportamento da juventude na segunda metade do século XX.
Entre uma discussão existencialista e uma corrida de cavalos, uma iluminação mística e uma bebedeira, surge a geração Beat, na contra-cultura.


Kerouac influenciou gente como Tom Wolfe, Haruki Murakami, Bob Dylan, John Lennon, Tom Waits, Hunter S. Thompson, Jim Morrison, Walter Salles, entre tantos outros.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Inauguração em 19/04/2012!

Tags

Tags: abrigo; diversão; pessoas interessadas em cultura; diversidade; balada; lo-fi; ponto de encontro; cosmopolita e humanista; cerveja; cultura-pop; incentivo à criação e à descoberta da arte; workshops; discotecagens; modos de vida simples; shows; olhares sobre o conceito de liberdade; happenings; happy hour; palestras/rodas de conversa; independência; lançamentos; cineclube; é possível ser feliz vivendo de forma diferente; profissões portáteis; exposições; produtos artísticos/culturais; DIY; gravação; mobilidade; all you need is love; São Paulo; Brasil; mundo; Praça da República.